top of page
Buscar
  • Foto do escritorPranava

YOGA SUTRA DE PATANJALI - PARTE 7 - TIPOS DE YOGIS


Namaskar!


Este texto tem por objetivo apresentar os tipos de yogis mencionados por Patanjali em sua obra Yoga Sutras. Recomendo que você leia todos os textos desta série, para que tenha um entendimento mais completo deste tratado!


Patanjali, em seus sutras I-19 e I-20 diz:


1-19  Bhava-pratyayo videha-prakrtilayanam


Bhavapratyaya  (um tipo de samadhi), alcançado por aqueles que são videhas e prakrtilayas 1-20 Sraddha-virya-smrti-samadhi-prajnapur-vaka itaresam (no caso) dos outros (upaya-pratyaya yogis), fé, energia, memória e grande inteligência precedem e são necessárias para o samadhi.


Bhava-pratyaya é o nome técnico dado a um samadhi. É um estado intermediário entre sabija e nirbija samadhi. Aqui ainda existem samskaras.  Segundo Glória Arieira em sua obra "O Yoga que conduz à plenitude', este termo aparece em um texto de Sri Vyasa, em seu comentário para este sutra. Bhava-pratyaya é um dos dois tipos de virama-pratyaya ( o outro é upaya pratyaya) Para entendermos melhor: Virama Pratyaya = 1. upaya pratyaya : ocorre para os yogis                                 2. bhava pratyaya : ocorre para os videhis e os prakrtilayas. 1. upaya-pratyaya: neste tipo, os yogis se dedicam e se esforçam mais intensamente para atingir nirbija samadhi.  Patanjali diz que a fé, a energia, a memória e grande inteligência são necessárias para se alcançar o samadhi. Aqui fica claro que uma vida de Yoga é necessária para a evolução. Patanjali usa as palavras: fé, energia, memória e grande inteligência. Fé (shraddha) é a pura convicção e certeza do caminho em que você está trilhando. De que esse caminho o levará à libertação. É a capacidade de confiar no seu mestre ou guru e no seu ensinamento. A energia ou força (virya) deve ser tão intensa, a ponto de ter o poder de transformar sua vida em uma vida de Yoga, pois a vontade de praticar é incontrolável. Sem essa energia e vontade, um ser humano não consegue dar continuidade à vida de Yoga, que requer tantos esforços, disciplinas, regularidade e amor. A memória (smrti) a que se refere Patanjali deve ser entendida no sentido de assimilarmos realmente os aprendizados para que não possamos repeti-los, pois seria perda de tempo. Infelizmente muito do que aprendemos em outras vidas é esquecido na vida atual, e, nos esquecendo do sofrimento que nos causaram, acabamos repetindo as ações, atrasando nossa evolução.  Aqui entra uma questão importante relacionada com a alimentação. Alguns alimentos afetam nossa memória e um deles é a carne de porco. Todos sabem que a filosofia do Yoga pede uma alimentação vegetariana ou, devido às mudanças na indústria dos alimentos, desde os tempos antigos até os atuais, vegana. Mas, a carne de porco em especial é extremamente prejudicial á memória. Já a grande inteligência (prajna) a que se refere, é o poder de conseguir entender o que é real e o que é irreal. Provém da prática da meditação intensa, que acalma nossos pensamentos, dá clareza mental e favorece o aprendizado em todos os aspectos da nossa vida. 

2. bhava pratyaya: como dito anteriormente, é um nome técnico dado a um samadhi alcançado por videhis e prakrtilayas: são aqueles que alcançam estados iniciais de samadhi naturalmente, sem esforço nesta vida pois trazem esse conhecimento de outras vidas.  É um estado intermediário entre sabija e nirbija samadhi. Aqui ainda existem samskaras.


videhin: em sânscrito significa incorpóreo. Podem ser chamados de médiuns por natureza e entram em uma espécie de transe mediúnico, onde conseguem incorporar e entrar em contato com seres que estão nos planos ocultos. São pessoas que podem 'sair' do corpo físico, e em transe, conseguem exercitar alguns poderes psíquicos. Conseguem ter a experiência momentânea de estarem livres do corpo.


prakrtilaya: em sânscrito significa 'fundido em prakrti', ou 'em comunhão com a natureza'. Entram em uma espécie de transe onde a consciencia é obscurecida, com apenas uma sensação de paz e força, e vago entendimento sobre o Eu interior.

Esses, como qualquer ser humano, se não optarem por uma vida de Yoga, não evoluirão na vida atual, apesar de terem um vislumbre sobre os mistérios ocultos. A pessoa que alcança este tipo de samadhi pode se iludir com ele, e não dar continuidade ao caminhar em direção ao objetivo final.  Eles renasceram com certos poderes adquiridos em vidas anteriores, onde se dedicaram à prática de Yoga.

Om Tat Sat Ju Matos




205 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page