top of page
Buscar
  • Foto do escritorPranava

Saiba como Devī Durgā salvou os Devas do Asura Mahiṣāsura


Imagem de Kalighat, Calcutá, de 1860.



Rambha, o rei dos asuras, conheceu uma senhora búfala e decidiu se casar com ela. Depois de algum tempo, tiveram um filho.


Ele foi chamado de Mahiṣāsura, já que Mahia significa búfalo e ele era filho de uma búfala e um asura. Como um asura (demônio), ele nasceu com poderes sobre-humanos. Naquela época, os devas (deuses) e os asuras estavam sempre lutando por algo e eram os deuses que geralmente venciam.


Quando Mahiṣāsura cresceu, ele não gostou nem um pouco disso e disse ao seu pai:


- Pai, por que sempre perdemos para os deuses? Eles começaram a achar que são grandes demais '. ‘Temos que mudar isso. Se eu pudesse, ficaria tão forte que mesmo esses deuses esnobes não poderiam me tocar. Se eu pudesse, me tornaria o ser mais poderoso de toda a criação! '


'-Você tem minhas bênçãos, filho', disse seu pai. 'Talvez um dia você consiga'.


E assim, dia e noite, tudo o que Mahiṣāsura conseguia pensar era em como se tornar mais poderoso do que os deuses.


Finalmente ele teve uma ideia.


'-Tapasyā!' - Ele gritou. - 'Por que não pensei nisso antes? Todos sabem que o jejum estrito e a oração podem tornar uma pessoa muito forte. '


Mahiṣāsura imediatamente começou uma longa penitência. Ele parou de comer e começou a orar a Brahma, o criador, de pé sob uma árvore. Muitos anos se passaram e Mahiṣāsura continuou ali, orando. E quanto mais ele ficava de pé, mais força ganhava. Logo chegou o tempo em que o poder que ele havia construído por meio de sua penitência se espalhou por todos os três mundos. Até Brahm, o criador, sentiu sua presença.


‘Mahiṣāsura tem orado por mim com grande devoção por tanto tempo’, disse Brahm para si mesmo. 'Ele merece ser recompensado.'


Ele partiu para o lugar onde o asura estava jejuando. Mahiṣāsura sentiu sua presença e abriu os olhos. Quando ele viu Brahm parado ali, ele caiu a seus pés e gritou: 'Senhor, você me honrou muito ao vir aqui. Significa que você reconheceu minha devoção e respondeu às minhas orações. '


Brahm ergueu a mão em bênção. '- Estou, de fato, muito impressionado com sua longa e devotada tapasy. Você jejuou por anos e orou por mim. Eu quero te conceder uma bênção. Peça tudo o que desejar. '


O coração de Mahiṣāsura se encheu de alegria. '-Senhor, obrigado por sua gentileza' - respondeu ele imediatamente. - 'Tudo que peço é que me torne imortal.'


Brahm sorriu e balançou a cabeça. '- Meu filho, o que você pediu não é possível', disse ele gentilmente. ‘Toda criatura que nasce tem que morrer. Pense em outra coisa. Terei o maior prazer em lhe conceder uma bênção.'


Mahiṣāsura ficou desapontado a princípio, mas pensou rapidamente. '-Tem que haver uma maneira',disse para si mesmo. 'Talvez eu possa pedir uma bênção que me torne tão bom quanto imortal.' Depois de algum tempo, ele perguntou a Brahm, 'Senhor, se você não pode me tornar imortal, você pode me conceder a bênção de que eu não posso ser morto por nenhum dos homens ou mesmo nenhum deva? Se eu tiver que morrer, deve ser apenas nas mãos de uma mulher. '


Por ser um demônio gigante, ele estava confiante de que nenhuma mulher seria forte o suficiente para matá-lo. '- Será como você pede, disse Brahm. '-Você encontrará sua morte apenas nas mãos de uma mulher.'


Mahiṣāsura uniu as mãos e se curvou diante de Brahm. '- Agradeço por esta grande bênção, Senhor!' disse ele.


No momento em que Brahm partiu, Mahiṣāsura gritou de alegria e acenou com seu tridente no ar. '- Agora vou mostrar a esses deuses fracos quem é o verdadeiro governante dos três mundos!', ele gritou. '-Ninguém pode machucar nem mesmo um fio de cabelo da minha cabeça!'


Sua risada terrível ecoou pela terra. E Mahiṣāsura não perdeu tempo em iniciar seu plano maligno. Ele reuniu um enorme exército de companheiros asuras e começou a atormentar os habitantes da terra. Eles espancaram as pessoas e roubaram seus pertences.


Eles invadiam as casas das pessoas e pegavam o que queriam. Se as pessoas reagissem ou tentassem detê-los, eles os matavam sem pensar duas vezes. Logo, todos os habitantes da terra estavam vivendo com medo dos asuras (demônios).


A notícia que se espalhou por toda parte, era a de que Mahiṣāsura era invencível e ninguém poderia prejudicá-lo.


Depois de deixar todos os mortais com medo, Mahiṣāsura decidiu desafiar os devas (deuses). Ele convocou todos os seus generais para uma reunião:


'- Os deuses sempre tentaram nos manter para baixo', ele disse. '- Mas agora é uma história diferente. Eu tenho a benção de Brahm. Nenhum homem ou deva pode me machucar.

'- Prepare-se para uma batalha, amigos. Amanhã vamos atacar Amravati, a capital de Indra', ele gritou.


Fiel ao seu comando, o exército de asuras invadiu Amravati, confiante de que iria vencer. Os devas tinham ouvido falar do ataque que se aproximava e estavam bastante preocupados. Eles consultaram Brahm.


'- Há pouco que posso fazer', disse ele tristemente. '- Fui eu quem concedeu a bênção da invencibilidade a Mahiṣāsura. Se eu tivesse adivinhado suas intenções!'

Mesmo assim, ele, Brahm, veio para o campo de batalha junto com Viṣṇu e śiva.


Mahiṣāsura assumiu a forma de um enorme búfalo e liderava os asuras.

E para sua plena satisfação, todas as armas divinas dos deuses se mostraram inúteis diante de sua força. Viṣṇu bateu nele com sua maça poderosa. O demônio ficou atordoado, mas se levantou novamente, assumindo a forma de um leão. Então Viṣṇu jogou seu chakra para cortar sua cabeça, mas ele saltou para trás e conseguiu escapar. Como vingança, Mahiṣāsura deu uma cabeçada em Viṣṇu e o derrubou.

Como último recurso, Indra lançou seu raio vajra contra o demônio. Mas ele ficou chocado ao ver que Mahiṣāsura ainda estava ali, rindo! O poderoso raio de Indra passou sobre ele como uma brisa suave. Mahiṣāsura agora assumiu a forma de um búfalo gigante novamente e redobrou seu ataque e os deuses começaram a fugir em desespero.


Com gritos de alegria, o exército asura expulsou os deuses do céu. Eles ocuparam o palácio de Indra e invadiram as ruas de Amravati, cantando suas terríveis canções de vitória.


'- Agora eu sou o senhor dos três mundos!', Mahiṣāsura gritou enquanto se sentava no trono de Indra.


Não havia mais ninguém para controlar a opressão de Mahiṣāsura agora. Ele fez o que queria e as pessoas da terra sofreram terrivelmente.


Os devas estavam em um estado patético. Durante anos, eles vagaram por campos e montanhas.


Então, cansados ​​de estar no exílio, eles decidiram consultar a trindade, Shiva, Viṣṇu e Brahm para encontrar uma maneira de destruir o asura, para que pudessem retornar ao céu.


Viṣṇu disse: "Nenhuma mulher vivendo em todos os três mundos é forte o suficiente para destruir esta criatura maligna. Vamos usar nossos poderes combinados para criar uma. '


Os deuses desesperados fecharam os olhos e começaram a concentrar todos os seus pensamentos na criação desta mulher invencível. Seus poderes divinos e profunda concentração funcionaram, e logo um pilar de luz de fogo apareceu no céu. Era tão brilhante que até mesmo os deuses acharam impossível olhar para ele. Era uma massa de pura energia produzida a partir de seu poder combinado.


A partir dele, eles criaram uma deusa que seria forte o suficiente para derrotar Mahiṣāsura.


Shiva criou seu rosto, Viṣṇu deu-lhe os braços e Brahm lhe deu pernas. O deus dos oceanos de leite deu a ela um sari vermelho e um colar de diamantes.


Vishwakarma presenteou-a com brincos, pulseiras e outras joias que ele próprio havia feito. Assim, todos os deuses a presentearam com vários ornamentos.


Depois que ela estava lindamente vestida, Viṣṇu disse: ‘-Vamos armá-la com nossas forças especiais, juntamente com armas invencíveis’. Ele começou entregando-lhe um chakra como o seu. Shiva deu a ela um tridente e Brahm um kamandal cheio da água sagrada do Ganges.


Varun deu a ela um presente de flores de lótus sempre desabrochando e uma poderosa concha. Agni a presenteou com o sadagni - uma arma que pode matar milhares. Vyu forneceu a ela um arco e uma aljava contendo um estoque infinito de flechas. Indra deu a ela um raio semelhante ao seu. Vishwakarma armou-a com um machado, Yama com um cajado e Kuber deu-lhe uma taça. Srya a apresentou com seus raios cegantes. Tvashta deu a ela o kaumodoki, a maça divina.


Desta forma, todos os deuses a presentearam com suas diferentes armas.


Finalmente, Himalaia, o deus das montanhas, deu a ela um tigre para cavalgar e ela foi chamada de Mahādevi ou Durg.


Com suas bênçãos, Durg montou no tigre e partiu para destruir Mahiṣāsura.


Ao se aproximar de Amravati, ela soltou um rugido poderoso que sacudiu as montanhas e criou ondas enormes nos mares. Mahiṣāsura pediu a seus soldados para descobrir o que estava acontecendo.


Quando soube que uma mulher o estava desafiando, ele riu e disse: ‘-Diga a ela que ficarei feliz em me casar com ela’.


Quando seus mensageiros trouxeram a proposta, a deusa respondeu: ‘-Diga a seu rei que não sou uma mulher comum que estaria ansiosa para se casar com ele. Eu sou Mahdevi e meu marido é Mahdeva. Vim pedir-lhe que deixe Amravati e volte ao seu lugar abaixo do mundo. Se ele não for, eu irei destruí-lo!


Ao ouvir essa resposta, Mahiṣāsura ficou furioso. Seus principais guerreiros disseram com arrogância: "Vossa Majestade, iremos corrigir esta mulher tola. Ela não merece sua atenção. '


Os asuras saíram para lutar com Mahdevi. Para sua surpresa e horror, um após o outro, todos os guerreiros orgulhosos foram derrotados.


O rei asura recebeu a notícia e ficou ainda mais furioso. '-Covardes e fracos! Eles não podiam enfrentar uma simples mulher. Vou acabar com essa mulher miserável de uma vez por todas!', ele gritou.


Neste momento, ele assumiu a forma de um homem bonito para cortejar Mahdevi.


'- Linda senhora, por que você quer lutar como um homem? Por que não se casar comigo, o rei do céu?', disse ele no tom mais doce possível. '-Jogue essas armas de lado e venha viver como uma rainha.'


Quando ela o rejeitou firmemente, Mahiṣāsura atacou a deusa junto com um exército de asuras. Mas Durg imediatamente criou uma enorme tropa de soldados para lutar. Mahiṣāsura tentou todos os truques que conhecia. Ele mudou de forma para confundir a deusa. De homem ele se tornou um leão, depois um elefante. Mas a cada vez, Mahdevi o feria gravemente com suas armas.


A batalha durou nove dias. Finalmente, a deusa matou o asura, que havia tomado a forma de um enorme búfalo novamente. Ela o decapitou com o chakra que Viṣṇu lhe dera.


Assim, ela libertou o mundo da tirania de Mahiṣāsura. Indra e os outros deuses voltaram aos céus novamente, e tudo estava bem. Desde então, Durg é adorada durante os Navratris e é tratada como Mahiṣāsura Mardini.


(Extraído com permissão do Scholastic Book of Hindu Gods and Goddesses, recontado por Deepa Agarwal, publicado pela Scholastic India).

Tradução: Ju Matos


187 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page